logomemory.gif

utilize a memória com eficiência








Os tipos de memória

 

cérebro.jpg

 

 

Existem diferentes categorias de memória que vão nos mostrar que memorizar datas, nomes e lugares não é o mesmo que aprender a andar de bicicleta. Aquilo que aprendemos e lembramos são processados por diferentes áreas do cérebro.

 

De acordo com essas áreas cada memória realiza um tipo diferente de função no cérebro humano. Veja abaixo, as memórias que funcionam de acordo com a duração da informação:

 

 

 

  • A memória ultra-rápida - a retenção não dura mais que segundos. Por exemplo, ouvir alguém ditando um número de telefone, na hora você lembra, mas quando passa uns segundos é incapaz de recordar.
  • A memória de curta duração (ou memória de trabalho e de curto prazo) - tem acesso rápido e limitado, nesta área a informação não dura mais que segundos. Nesta memória temos a memória operacional que servirá para organizar a realidade percebida pelo cérebro. Através dela, armazenamos informações essenciais para a resolução de problemas, para uso do raciocínio rápido ou elaboração de comportamentos (que podem ser esquecidos a seguir). Ex.: Lugar onde estacionamos o carro.
  • A memória de longa duração (ou permanente) - é responsável por armazenar todo o conhecimento de uma pessoa. O tempo de acesso para recuperação de informações em comparação aos outros tipos de memória é muito maior. Podendo durar dias, semanas ou até mesmo anos. Consolidação é o processo de armazenar novas informações nessa memória.

Assim, o nosso cérebro é capaz de armazenar diversas informações diferentes e como disse anteriormente, ele usa várias partes para executar o processo de memorização. Uma das estratégias é utilizar outros tipos de memórias que de acordo com os conteúdos existem:

 

  • Memória declarativa (ou explícita) - faz parte da memória permanente e é aquela que pode ser declarada, como fatos, nomes, acontecimentos e pode ser episódica (eventos com data) ou semântica (significado de palavras). 
  • Memória não declarativa (ou implícita) - é aquela que evoca habilidades, dicas de palavras, objetos, associações, a aprendizagem baseada em não-associações e as aprendidas de modo mecânico. Aprender a dirigir é um bom exemplo do uso dessa memória.
  • Memória adquirida por dicas (Priming ou memória de representação perceptual), catacterizada  por uma imagem que relembra eventos, ao ver a imagem já identificamos antes da compreensão do evento o que ela significa.
  • Memória de procedimentos -  é a memória de habilidades e hábitos. (Aprender a dar nó em gravata ou andar de moto).
  • Memória associativa e Memória não associativa - estão ligadas a alguma resposta ou comportamento. A associativa é usada, por exemplo, quando ao olharmos para um alimento saboroso começamos a salivar associado a lembrança do cheiro, sabor ou aspecto do alimento. Já a memória não associativa aprendemos  sem perceber. Ex.: O latido de um cão não traz riscos, fato que nos faz ignorá-lo.


Para que possamos fixar e guardar uma informação importante precisaremos decorar ou aguçar os nossos sentidos. Um exemplo disso acontece quando repetimos um texto várias vezes. Esta informação que estava na memória de curta duração passa para a memória de trabalho e em seguida para a memória de longa duração.


Com o volume de dados que recebemos de todos os meios de comunicação é necessário que a memória possua um recurso que identifique o que precisaremos  (ou seja, personalizar algo de acordo com as necessidades). Este recurso é chamado de customização.

 

Os mecanismos que cercam a memória são um conjunto de vários outros que juntos são ativados no processo de memorização ou na busca de informação em nossa memória:

 

  • O lobo temporal – esta área possui uma ligação com a memória. Localizado abaixo do osso temporal que se encontra acima das orelhas, ele é responsável por armazenar os eventos passados. É nessa região que os cabelos tendem a envelhecer primeiro. Nele está localizado o neocórtex temporal, uma região potencialmente envolvida com memória a longo prazo. Aqui também, encontram-se estruturas relacionadas a memória declarativa, ou seja, aquela onde guardamos fatos e eventos.
  • Hipocampo – é o responsável por selecionar e armazenar fatos, eventos importantes, questões espaciais (o caminho de uma rua, estrada etc.) e ainda reconhecer novidades.
  • Amígdala – se comunica com o tálamo e todos os sistemas sensoriais do córtex. Os estímulos sensoriais provindos do meio externo (sons cheiros, sabor) são codificados em sinais elétricos e estes ativam um circuito da amígdala relacionado a memória. Para isso é necessário uma conexão entre a amígdala e o tálamo. As conexões entre a amígdala e o hipotálamo (origem das respostas emocionais) permite uma forte ligação entre as emoções e a aprendizagem, sendo um fator que influencia bastante nesse processo.
  • Córtex pré-frontal – realiza um papel importante no planejamento de um comportamento e na resolução de problemas. Estabelecendo conexões com o lobo temporal e o tálamo encontramos uma das razões para acreditar que ele está ligado a memória.

 






Site desenvolvido por KERDNA Produção Editorial LTDA